Principais Clientes > COMPANHIA VALE DO RIO DOCE – CVRD

COMPANHIA VALE DO RIO DOCE – CVRD

ESTUDOS E PROJETOS DE ENGENHARIA FERROVIÁRIA

Projeto Final de Engenharia da Infraestrutura Ferroviária da Variante Capitão Eduardo-Costa Lacerda, trecho Sabará/MG-Marembá/MG, compreendido entre as estacas 1.000 e 2.366, em Minas Gerais, com extensão de 21 km, envolvendo:

  •  Adequação do Projeto Básico;
  • Elaboração do Projeto Executivo da Infraestrutura, compreendendo Projeto Geométrico, Terraplanagem, Drenagem, obras-de-arte correntes e obras de contenção;
  • Projeto de desapropriação, numa extensão de 18 km, com 720.000 m² da área da faixa de domínio;
  • Projeto da Superestrutura da Via (46.930 km);
  • Projeto de obra-de-arte especial - Viaduto Ferroviário - 32,50 m.

Remodelação do Pátio Ferroviário de Governador Valadares/MG, envolvendo:

  • Atualização de cadastros - área de 608.000 m ;
  • Estudo operacional;
  • 26,5 km de desvios Ferroviários e 99 aparelhos de mudança de Via.

Remodelação do Pátio Ferroviário de Porto Velho, em Cariacica/ES, envolvendo:

  • Atualização de cadastros - área de 1.085.000 m ;
  • Estudo operacional;
  • 53,3 km de desvios Ferroviários e 163 aparelhos de mudança de Via.

Estudo de Demanda Captável pela Estrada de Ferro Vitória Minas, em São Paulo.

Estudo de Viabilidade do trecho Ferroviário Estreito-Balças-Uruçuí, 230 km, compreendendo a diretriz do Traçado, Avaliação de investimento e Custos Operacionais, abrangendo nova fronteira agrícola do Sul dos Estados do Maranhão e Piauí.

Estudos de Viabilidade Técnico, Econômico e Financeiro da nova Ligação Ferroviária Sinop – Santarém, com 1.100 km, abrangendo nova fronteira agrícola do norte do estado do Mato Grosso, compreendendo os Estudos de Mercado, Tarifário e de concorrência com o modo rodoviário, de definição da diretriz do Traçado, Estudos Preliminares de Engenharia Ferroviária, Estudos de Projeção das  Receitas, dos Custos e Despesas Operacionais, Administrativas e Comerciais, os Orçamentos dos Investimentos para a Construção, Capacitação e Reposição dos ativos, e os Estudos de Avaliação Econômico-Financeira, utilizando o método do Fluxo de Caixa descontado, que para o seu desenvolvimento montou-se uma estrutura de capital compreendendo os recursos da iniciativa privada e públicos.

Estudos de Viabilidade Técnico, Econômico e Financeiro da Companhia Ferroviária do Nordeste – CFN, com 4.000 km com e sem a Transnordestina com 356 km, compreendendo Estudos de Mercado e Tarifário de Projeção das  Receitas, dos Custos e Despesas Operacionais, Administrativas e Comerciais, os Orçamentos de Investimentos para a recuperação, Construção da Transnordestina, Capacitação e Reposição dos ativos, e os Estudos de Avaliação Econômico-Financeira, utilizando o método do Fluxo de Caixa descontado que para o seu desenvolvimento montou-se uma estrutura de capital compreendendo os recursos da iniciativa privada e públicos.

Estudo de levantamento dos Investimentos necessários à implantação do Corredor multimodal de transporte ligando Barreiras ao porto de Suape. Compreendendo as instalações Ferroviárias e portuárias de Suape, o trecho Ferroviário de Suape até Sobradinho, a hidrovia de São Francisco de Sobradinho até Ibotirama e por Rodo via de Ibotirama até Barreiras, na Bahia.

Estudos de Viabilidade Técnico, Econômico e Financeiro da Linha Mineira da ferrovia Centro Atlântico – FCA, com 340 km, compreendendo Estudos de Mercado e Tarifário, de Projeção das  Receitas dos Custos e Despesas Operacionais, Administrativas e Comerciais, os Orçamentos de Investimentos para a recuperação, Capacitação e Reposição, e os Estudos de Avaliação Econômico-Financeira, utilizando o método do Fluxo de Caixa descontado.

Estudos de Viabilidade Técnico, Econômico e Financeiro da nova Ligação Ferroviária Estreito – Balsas, com 240 km, abrangendo nova fronteira agrícola do Norte dos Estados do Maranhão e Piauí, compreendendo Estudos de Mercado, Tarifário e de concorrência com o modo rodoviário, de definição da diretriz do Traçado, Estudos Preliminares de Engenharia Ferroviária, Estudos de Projeção das  Receitas, dos Custos e Despesas Operacionais, Administrativas e Comerciais, os Orçamentos de Investimentos para a Construção, Capacitação e Reposição, e os Estudos de Avaliação Econômico-Financeira, utilizando o método do Fluxo de Caixa descontado que para o seu desenvolvimento montou-se uma estrutura de capital compreendendo os recursos da iniciativa privada e públicos.

Estudos de Viabilidade Técnico, Econômico e Financeiro da nova Ligação Ferroviária Estreito – Balsas – Alto Parnaíba – Barreiras, com 1.050 km, abrangendo nova fronteira agrícola do Norte dos Estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia, compreendendo Estudos de Mercado, Tarifário e de concorrência com o modo rodoviário, Estudo de definição da diretriz do Traçado, Estudos Preliminares de Engenharia Ferroviária, Estudos de Projeção das  Receitas, dos Custos e Despesas Operacionais, Administrativas e Comerciais, os Orçamentos de Investimentos para a Construção, Capacitação e Reposição, os Estudos de Avaliação Econômico-Financeira, utilizando o método do Fluxo de Caixa descontado que para o seu desenvolvimento montou-se uma estrutura de capital compreendendo os recursos da iniciativa privada e públicos, e os Estudos de Avaliação Econômico-social que procurou identificar qualitativamente a melhor opção Econômica entre construir a ferrovia ou melhorando a Infraestrutura rodoviária existente.

Estudos Técnicos de Viabilidade Econômicos e Financeiros da Companhia Ferroviária do Nordeste – CFN, com 4.000 km, considerando a Malha da CFN com e sem os trechos de baixo potencial Econômico para três configurações de extensão de sua Malha, compreendendo Estudos de Mercado e Tarifário, Estudos de Projeção das  Receitas, dos Custos e Despesas Operacionais, Administrativas e Comerciais, os Orçamentos de Investimentos para a recuperação, Construção da Transnordestina, de Capacitação e de Reposição, e os Estudos da Avaliação Econômico-Financeira, utilizando o método do Fluxo de Caixa descontado que para o seu desenvolvimento montou-se uma estrutura de capital compreendendo os recursos da iniciativa privada e pública.

ACOMPANHAMENTO DE FABRICAÇÃO, INSPEÇÃO E TESTES DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS

Acompanhamento de fabricação, inspeção, testes de recebimento, diligenciamento de 113.000t de trilhos TR-68. da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), destinados à Estrada de Ferro Carajás (EFC). Inspeção de 2.148.000 placas e 3.825.000 grampos de fixação elástica, na indústria nacional; de 4.040.000 de tirefões no Japão e 4.000.000 na indústria nacional.

Apóio Técnico e administrativo na manutenção da Estrada de Ferro Carajás e ao Terminal Marítimo Ferroviário de Ponta da Madeira em São Luiz.

Apoio Técnico e administrativo ao Estudo de Viabilidade do Projeto Carvão de Moçambique, Porto de Tubarão, em Vitória/ES.

GERENCIAMENTO, ASSESSORAMENTO TÉCNICO, FISCALIZAÇÃO E SUPERVISÃO DE OBRAS

Apoio Técnico administrativo ao Grupo do Projeto do Carvão de Moçambique, visando o Estudo de Viabilidade para a exploração das Minas de carvão da Província do Tete, transporte Ferroviário e exportação pelo Porto da Beira em Moçambique.

Consultoria e Supervisão de obras de meio ambiente - Superintendência do Porto de Tubarão.

Estudo Conceitual para determinação de potenciais locais para instalação de Polos Concentradores de Carga no Brasil, geradores de negócios e de racionalização dos transportes. Serviços executados foram desenvolvidos estudos da produção, demanda e dos fluxos de grãos agrícolas e participação aos meios de transportes. Levantamento da produção e consumo dos produtos agrícolas dos municípios, da acessibilidade dos modais de transportes e da rede de armazéns. Eleição Preliminar das localizações com potencial para instalação de Polos Concentradores de Carga (à granel ou unitizadas), adequados ao modal ou aos modais mais Econômicos.

PROJETOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Serviços de Apoio à Implantação do Sistema de Telecomunicação da Estrada de Ferro Carajás.

PROJETOS DE SINALIZAÇÃO

Serviços de Apoio à Implantação do Sistema de Sinalização da Estrada de Ferro Carajás.

PROJETOS DE ELETRIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

Projeto Conceitual para implantação de alimentação de energia ao longo dos 900 km da Estrada de Ferro Carajás, envolvendo o estudo de opções para a concepção do sistema de alimentação, incluindo energia solar.

PROJETOS RODOVIÁRIOS

Projeto Executivo, Supervisão e Gerenciamento do Viaduto rodoviário de Flexal, em Cariacica/ES, com extensão de 82 m.

Projeto Executivo, Supervisão e Gerenciamento do Viaduto rodoviário de Fundão/ES, com extensão de 24 m.

Prestação de Serviços Topográficos à Superintendência do Porto de Tubarão.

Projeto Básico de Engenharia do Ramal Ferroviário Fábrica – Casa de Pedra, com extensão de 8,4 km.

Projeto Básico da interligação da Estrada de Ferro Carajás com a RFFSA, em São Luís, com extensão de 17 km, envolvendo o Projeto Final de Engenharia da Infraestrutura Ferroviária da Variante Capitão Eduardo-Costa Lacerda, trecho Sabará – Marembá, compreendido entre as estacas 1.000 e 2.366, em Minas Gerais, com extensão de 21 km.

Estudos de Viabilidade Técnico, Econômico e Financeiro da nova Ligação Ferroviária Estreito – Balsas – Uruçuí, com 230 km.

Estudos de Viabilidade Técnico, Econômico e Financeiro da nova Ligação Ferroviária Sinop – Santarém, com 1.100 km.

Estudo de levantamento dos Investimentos necessários à implantação do Corredor Multimodal de Transporte ligando Barreiras ao Porto de Suape.

Estudos de Viabilidade Técnico, Econômico e Financeiro da Linha Mineira da ferrovia Centro Atlântica – FCA, com 340 km.

Estudos de Viabilidade Técnico, Econômico e Financeiro da nova Ligação Ferroviária Estreito – Balsas, com 240 km.

Estudos de Viabilidade Técnico, Econômico e Financeiro da nova Ligação Ferroviária Estreito – Balsas – Alto Parnaíba – Barreiras, com 1.050km.

Acompanhamento de fabricação, inspeção, testes de recebimento, deligenciamento de 113.000t de trilhos TR–68, da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), destinados à Estrada de Ferro Carajás (EFC). Inspeção de 2.148.000, placas e 3.825.000 grampos de fixação elástica, na indústria nacional; de 4.040.000 de tirefões no Japão e 4.000.000 na indústria nacional.